AUDIÇÃO - TEXTO OPCIONAL - ROMEU E JULIETA

AUDIÇÃO – TEXTO OPCIONAL – ROMEU E JULIETA

ROMEU E JULIETA

Cena II

 Jardim de Capuleto

Entra ROMEU

 ROMEU

Só se ri das feridas quem nunca sentiu as dores dos ferimentos. (aparece Julieta à sua janela). Mas… silêncio! Que luz será aquela que jorra através desta janela? Esta janela é o Oriente; Julieta o Sol. Ergue-te, oh! Astro de beleza, faz desaparecer a Lua que tem inveja de ti! Vês como está doente? Como está pálida de pesar, porque tu, sendo quem a substituis, és mais bela do que ela? Não a queiras substituir, já que tão invejosa é! As roupagens de vestal são macilentas e descoradas; somente as imbecis as usam; deita-as fora. És a minha amada! És o meu amor! Assim pudesses tu saber quem és! Falas e nada dizes! Quem me dera saber o que isto quer dizer! O teu olhar é quem fala; vou responder-te. Sou ousado demais; não é para mim que ela fala; duas das mais belas estrelas de todo o firmamento, quando são forçadas a retirar-se, suplica, aos olhos da minha amada que brilhem em vez delas nas esferas até que voltem. E, se por acaso os seus olhos estivessem agora nestas esferas e as estrelas na sua fronte? Não; o resplendor do seu rosto envergonharia as estrelas da mesma forma que um dia claro faria envergonhar uma lâmpada; se os seus olhos estivessem no céu, relampejaria nos ares tal claridade que as aves cantariam, cuidando que não havia noite. Oh! Como ela encosta a face à sua mão. Quem me dera ser a luva onde a sua face encosta.

JULIETA

Ai de mim!

ROMEU

Fala! Oh! Continua a falar, anjo resplandecente! Aí onde tu estás, por sobre a minha cabeça, pareces também um resplendor no meio desta noite, mensageira alada e celestial perante os olhares admirados dos mortais! Quando os erguem para o céu têm de esconder a íris nas pálpebras, tal é a altura a que devem dirigir-se para te comtemplar, enquanto perpassa rápido por entre nuvens indolentes e navega no seio do firmamento…

JULIETA

Romeu! Romeu! Por que és tu, Romeu? Renega o teu pai, muda de nome; se não queres fazer isto, jura amar-me e deixo eu de ser Capuleto.

ROMEU

Deverei eu ouvir ainda ou dar-me a conhecer?

JULIETA

Só o teu nome é que é o meu inimigo. Apesar de tudo não és um Montecchio, és tu e só tu. E que vem a ser um Montecchio? Nem é mão, nem pé, nem braço, nem rosto, nem qualquer outra parte de corpo humano. Oh! muda de nome! mas o que é que existe num nome?  A flor a que chamamos rosa, deixa de ter perfume se lhe dermos outro nome? Romeu, ainda mesmo que não se chamasse Romeu, nem por isso deixaria de ser tão perfeito como é. Renuncia a esse nome, Romeu, e em vez dele que não faz parte da tua existência, apodera-te de mim que sou tua.

ROMEU

Aceito: chama-me unicamente teu amor, baptizo-me de novo e doravante já não quero ser Romeu.

JULIETA

Quem és tu que, protegido pela noite, assim vens surpreender os segredos da minha alma?

ROMEU

Não sei de que nome hei-de servir-me para te dizer quem sou: o meu nome, ó minha santa querida, é-me tão odioso poe ser teu inimigo que se ele estivesse escrito num papel eu rasgava-o.

JULIETA

Apesar de serem bem poucas as palavras que têm ecoado nos meus ouvidos pronunciadas por esta voz, reconheço-a. Não és tu, Romeu de Montecchio?

ROMEU

Nem Romeu, nem Montecchio, se qualquer desses nomes te desagrada.

JULIETA

Como pudeste aqui vir, diz-mo? E para que vieste? Os muros deste jardim são altos e difíceis de escalar. Este lugar será mortal para ti, se qualquer dos meus parentes der contigo.

ROMEU

Transpus estas muralhas com as asas do amor que são leves, porque as barreiras de pedra não podem embaraçar os voos do amor. O que é que o amor quer, que não consiga? os teus parentes podem lá servir-me de obstáculo?

JULIETA

Se te virem, és morto.

ROMEU

Ai! Julieta, há mais perigos nos teus olhos do que em vinte das suas espadas. Basta que desças um desses ternos olhares para mim, que eu fico bem escudado contra a sua inimizade.

JULIETA

Por nada deste mundo desejaria que eles te vissem aqui.

ROMEU

Agasalha-me o manto da noite, que me esconde da vista deles. Se me não amas, que me importa que me encontrem aqui? Antes queria que o seu ódio pusesse fim à minha vida do que a morte tardar sem o teu amor.

JULIETA

Quem te ensinou este caminho?

ROMEU

O amor excitou-me a descobri-lo; deu-me conselhos e eu emprestei-lhe os meus olhos. Eu não sou piloto, mas se tu estivesses afastada na mais longínqua praia do mar, eu aventurar-me-ia a ir ter contigo.

JULIETA

A máscara da noite vela-me o rosto; se não fosse isso, nas minhas faces virginais verias o rubor que as palavras que há pouco proferi, causaram. Bem queria eu guardar as conveniências; bem desejaria negar o que disse, mas, adeus, acabaram-se as cerimónias. Amas-me? sei  que me vais dizer que sim: ficas preso por essa palavra; contudo se juras podes tornar-te perjuro. Dizem que Júpiter acha muita graça aos perjúrios dos amantes. Querido Romeu, se me amas, declara-mo lealmente; se pensas que fui fácil de conquistar, serei cruel, carregarei o meu sobrecenho, dir-te-ei: não, para te dar ensejo a que me conquistes, de outro modo por nada deste mundo o farei. A verdade, belo Montecchio, é que estou muitíssimo apaixonada por ti; portanto podes julgar o meu comportamento leviano, mas acredita que mostro-me sincera, porque não sou como as outras que usam de artifícios para serem reservadas. É possível que fosse mais reservada, confesso-o, se, há pouco, não tivesses surpreendido as expressões apaixonadas do meu sincero amor. Perdoa-me, não interpretes esta facilidade como leviandade deste amor, que esta tenebrosa noite assim te revelou.

ROMEU

Senhora, juro-te por essa Lua encantadora que lá baixo toca com uma das extremidades de prata o cimo daquelas árvores de fruto…

JULIETA

Não jures pela Lua, pela Lua inconstante que todos os dias muda de figura na nossa órbita; tenho medo que o teu amor se mostre tão inconstante como ela.

ROMEU

Pelo que jurarei eu, então?

JULIETA

Não jures por nada deste mundo; mas se quiseres jurar, jura pela tua graciosa pessoa, divindade do meu coração idolatrado, porque eu creio em ti.

ROMEU

Se o meu queridíssimo amor do meu coração…

JULIETA

Basta, não jures. Ainda que a minha alegria de ti imane, não posso nesta noite gozar de todas as alegrias da nossa entrevista. É muito temerária, é muito precipitada, é muito repentina. Parece-me que o relâmpago que desaparece antes mesmo que se possa dizer: como brilha! Terna e benfajeza noite! Este botão de amor, prestes a desabrochar como o hálito quente do Estio, talvez ainda o vejamos aberto em flor esplêndida no próximo encontro. Boas noites! Boas noites! e que a paz e felicidade tão meigas que enchem meu peito desçam ao teu coração.

ROMEU

Oh! E vais-me deixar assim sem me dizeres mais nada?

JULIETA

Que mais queres que te diga?

ROMEU

Jura amar-me como eu te amo.

JULIETA

Dei-te o meu amor antes que tu o pedisses e assim eu pudesse ter deixado de to dar.

ROMEU

Porquê? Querias retirar-mo?

JULIETA

Não. Queria continuar a oferecer-to, mas o que eu desejo é a ventura que já tenho; a minha generosidade é tão ilimitada como é o mar, tão profunda como ele; quanto mais te amo tanto mais amor tenho para te dar, porque é infinito. (A ama chama de dentro.) Ouço passos lá dentro. Adeus, meu querido amor! – Já lá vou, ama! Delicado Montecchio, sê fiel. Espera por mim somente alguns minutos; eu venho já. (Sai da janela.)

ROMEU

Oh! noite venturosa! Oh! noite feliz!  Que medo tenho por ser de noite que tudo isto não passe dum sonho! Oh! como isto é delicioso para ser real…

JULIETA (aparece à janela)

Três palavras, querido Romeu, por esta vez. Se o carácter do teu amor é o da honra, se tem por fim o casamento, manda pela pessoa que eu te enviar uma palavra que me indique onde e quando queres que a cerimónia se efectue e eu deporei a teus pés todo o meu destino e seguir-te-ei através do mundo inteiro como meu senhor.

AMA (dentro)

Menina…

JULIETA

Já lá vou. – Mas se as tuas intenções são outras, imploro-te…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *