TEXTOS PARA AS AUDIÇÕES

TEXTOS PARA AS AUDIÇÕES

OBRIGATÓRIO

Excerto de HAMLET de  William Shakespeare

CENA II

 O átrio do castelo com assentos de um e de outro lado como para uma representação. Ao fundo um pano esconde outro palco.

Entram HAMLET e três actores; saem detrás do pano.

 

HAMLET (ao primeiro actor) Peço-te que digas a tirada como eu a pronunciei, com a língua ágil, com uma dicção certa. Mas se mastigas as palavras, como fazem muitos dos nossos actores, então antes quero que seja o homem dos pregões a dizer os  meus versos. E também não esbracejes muito; assim. Usa tudo com medida. Pois na própria torrente, tempestade, ou mesmo no turbilhão da tua paixão, tens de conquistar e criar um equilíbrio que a tudo dê harmonia. Ai, doí-me até a alma quando ouço um moço robusto, cheio de cabelos postiços, a rasgar a paixão em tiras e farrapos para furar os ouvidos da gente da plateia que, na sua maior parte, só gosta de mímicas inexplicáveis e de barulho. Eu gostava de ver esse actor chicoteado, por ser mais Termagante do que Termagante; ele herodiza de mais o Herodes. Peço-te: não cais nesse defeito.

1º ACTOR – Garanto a Vossa Alteza que não.

HAMLET – Também não te deves dominar de mais, mas deixa que a tua discrição seja o teu guia. Ajusta a acção com a palavra e a palavra com a acção; com um cuidado especial em não forçar a modéstia da natureza. Pois tudo quanto é exagerado se desliga do objecto próprio do teatro, cuja finalidade, tanto no começo como agora, foi e é, por assim dizer, erguer um espelho em frente à natureza; para mostrar à virtude o seu próprio rosto, ao mal a sua própria imagem, e a cada século e a cada encarnação do tempo a sua forma e o seu cunho… Porém, se a representação for exagerada ou desacertada, embora faça rir os ignorantes, só pode afligir os que são conscientes. E a censura de uma só pessoa consciente deve, na vossa estima, ter mais peso do que um teatro inteiro de ignorantes. Oh, há actores que eu vi representar, e que ouvi serem elogiados com grandes e fervorosos louvores, e que não tinham pronúncia de cristão, nem figura de cristão, nem de pagão, nem de ser humano, e que se pavoneavam tanto e berravam tanto, que eu pensei que algum aprendiz, querendo fazer homens, os tinha feito mal, pois eram uma abominável imitação da humanidade.

 

OPÇÃO – ESCOLHER UM DOS SEGUINTES TEXTOS:

 

EXCERTO DE “AUTO DA BARCA DO INFERNO”  DE GIL VICENTE

BRIZIDA 

COMPANHEIRO

Diz que não há-de vir cá sem Joana de Valdeis.

DIABO

Entrai vós, e remareis.

BRIZIDA

Não quero eu entrar lá.

DIABO

Que saboroso arrecear!…

BRIZIDA

Não é essa barca a que eu cato.

DIABO

E trazeis vós muito fato?

BRIZIDA

O que me convém levar.

DIABO

Que é o que haveis de embarcar?

BRIZIDA

Seiscentos virgos postiços

e três arcas de feitiços

que não podem mais levar.

 

Três armários de mentir,

e cinco cofres de enleios

e alguns furtos alheios

assi em jóias de vestir;

guarda-roupa de encobrir,

enfim – casa movediça;

um estrado de cortiça

com dez coxins de embair

A mor carrega que é:

essas moças que vendia.

Daquesta mercadoria

Trago em muita, à bofé!

DIABO

Ora ponde aqui o pé.

BRIZIDA

Hui! eu vou para o Paraíso!

DIABO

E quem te dixe a ti isso?

BRIZIDA

Lá hei-de ir desta maré.

Eu sou uma mártel tal,

açoutes tenho eu levados

e tormentos suportados

que ninguém foi igual.

Se eu fosse ao fogo infernal

Lá iria todo o mundo!

E estoutra barca cá em fundo

me vou eu, que é mais real.

Barqueiro, mano, meus olhos,

prancha a Brizida Vaz!

ANJO

Eu não sei quem te cá traz…

BRIZIDA

Peço-vo-lo de giolhos!

Cuidais que trago piolhos

anjo de Deus, minha rosa?

Eu sou Brizida a preciosa

que dava as moças aos molhos.

 

A que criava as meninas

para os cónegos da Sé…

Passai-me por vossa fé,

meu amor, minhas boninas,

olhos de perlinhas finas!

 

E eu sou apostolada,

angelada e martelada,

e fiz obras mui divinas

 

Santa Úrsula não converteu

tantas cachopas como eu:

todas salvas po-lo meu,

que nenhuma se perdeu

E prouve àquele céu

que todas acharam dono.

Cuidais que dormia eu sono?

Nem ponta! … E não se perdeu.

 

EXCERTO DE “ESOPO” DE ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

 

XANTO – Vamo-nos assentando sem cerimónia, que nos banquetes não há mestres, nem discípulos. Mandei a Esopo que me pusesse nesta mesa a melhor cousa do mundo; veremos com que ele se desempenha.

PERIANDRO – Com alguma parvoíce. Se vossa mercê se fiou da sua eleição, ficaremos em jejum.

ÉNIO – Vamos nós comendo o que está na mesa, pelo sim, pelo não, que ele já tarda.

SAI ESOPO COM UM PRATO

ESOPO – Eis aqui a melhor cousa do mundo.

XANTO – Descobre, e veremos.

ESOPO – É um prato de línguas.

XANTO – Um prato de línguas? Como? Pois isso é a melhor cousa do mundo?

ESOPO – Qual é a dúvida que a melhor cousa do mundo é a língua? Que cousa mais necessária no homem que a língua? Sem língua, ninguém pode falar; sem falar, ninguém se entende. A língua é a alma dos conceitos, é o corretor dos comércios, é a taramela das portas da boca, é prancha dos comeres, é o esgaravator das gengives, é o zaragatoa dos beiços, o planeta do céu da boca, e o badalo da campainha. Com a língua se lambe um prato; com a língua faz o arrieiro a célebre cantiga, &C. Enfim, a língua do cão é o melhor remédio das chagas, e o linguado o melhor peixe dos mares. Não sei que mais queria dizer, que o tinha debaixo da língua.

XANTO – Nada nos dizes de novo, que bem sabemos que a língua é o oráculo do homem; porém, havemos só comer línguas?

ESOPO – Senhor, muitos comem do que falam.

PERIANDRO – Esopo fez o que lhe mandaram, como bom servo.

XANTO – Uma vez que a melhor cousa do mundo são as línguas, traze-me agora aqui a pior cousa do mundo.

ESOPO – Com muito gosto; eu venho já. (vai-se)

PERIANDRO – É lástima que seja cativo quem tem tão livre juízo para discorrer.

ÉNIO – Não é essa a primeira sem-razão da natureza.

XANTO – Que diabo fazes, Esopo?

ESOPO – Eis aqui a pior cousa do mundo (sai).

XANTO – Que é isso que trazes?

ESOPO – Outro prato de línguas.

XANTO – Pois como?! Se a melhor cousa do mundo são as línguas, como agora as línguas são a pior cousa do mundo?

ESOPO – É filósofo, e não sabe que, sendo uma língua boa a melhor cousa do mundo, a pior é uma língua má? Uma língua má é estrago da honra; ela é a mãe dos mexericos, o pai dos enredos, a irmã das discórdias, a perturbadora da paz, o clarim da guerra, a sarna do sossego, a carepa das consciências, o despertar das vinganças e o instrumento da alcovitice. Não é assim, Senhor Xanto?

XANTO – Dizes bem; eu te perdoo a peça; e, pois não há outro remédio, vamos comendo essas línguas e bebendo duas pingas. Ora lá vai à saúde de vossas mercês! (bebe).

ESOPO – Isso me parece bem; acendam-se no templo da barriga as alâmpadas de Baco.

PERIANDRO – Lá vai à saúde da Senhora Eurípedes. (bebe)

ESOPO – Periandro, lá vai; já me entendeis. (bebe).

PERIANDRO – Vá, eu correspondo. (bebe).

 

Comments are closed